terça-feira, 18 de maio de 2010

Não há mistérios




De todos os gestos e jeitos teu

Lembro-me do que começa da raiz

E chegam as pontas, que balança e seduz

E que quando a tua mão

Que parece pequena

Seda, leve, toca a minha

Sinto-me no estágio do céu, no ápice do pecado

Sendo assim o teu aroma se faz presente

Por todo sempre

Aonde se escondia?

Até quando o acaso cuidaria do nosso encontro?

Eu joguei na sorte

Na grande loteria e encontrei você, plena

E a historia continuará e talvez ao léu

Mas sustentada de perfeição

Pois você não é preto é branco é anjo

Linda morena de cabelos longos e corpo desenhado

Não há mistérios, não há

Se faz assim e ganha na lábia

Deixa as letras se fazer por si

Deixa as letras fazer você

Porque só falando você conquista eu e o resto do mundo.



Stênio Franca, 18 de maio de 2010.

Nenhum comentário:

Postar um comentário